O bom comércio está ligado a arte das mãos e dos olhos.

O bom comércio está ligado a arte das mãos e dos olhos.

O mercado e o templo /13 - Os escritores comerciantes nos trouxeram páginas de vida e histórias econômicas caracterizadas pela competência, sobriedade, beleza e fé.

por Luigino Bruni

Publicado originalmente em italiano no site Avvenire em 31/01/2021

A nossa economia só será civil e civilizada se for relacional, se souber unir a diversidade e se souber viver generativamente suas contradições e ambivalências.

O espírito da economia do mercado entre a Idade Média e a Renascença, em alguns aspectos era diferente, bem diferente do capitalismo moderno. Faz sentido voltar às questões daquele momento da economia, já que o capitalismo dos séculos seguintes não deu respostas diferentes, mas limitou-se a mudar as questões. Essa primeira ética mercantil desenvolveu-se em um mundo que, enquanto observava a riqueza dos grandes comerciantes crescerem e buscava uma maneira de mantê-los dentro dos recintos das ovelhas de Cristo, testemunhava também o movimento franciscano lutando com papas e teólogos para obter o privilégio da mais alta pobreza, para atravessar o mundo sem ter que se tornar domini (donos) dos bens que utilizavam. Entre o livro razão comercial e o livro razão religioso, surgiu uma tensão trágica. Um desafiou e limitou o outro, e desta forma o comércio não se tornou um ídolo e a religião não se tornou uma gaiola.

Para compreender a ética econômica europeia, é necessário lê-la a partir destas tensões e ambivalências. Ler a riqueza dentro da pobreza e a pobreza dentro da riqueza. Aqueles comerciantes ficaram muito ricos, mas a sua riqueza foi ferida, porque, ao contrário do que aconteceu na modernidade, não era imediato nem evidente que a riqueza era em si uma bênção, enquanto era evidente que a bênção estava na pobreza evangélica. Mas, também aqui, paradoxos e ambivalências provaram ser altamente generativos.

Podemos ler esse cenário no livro "Mercanti scrittori" (Comerciantes Escritores - publicado por Vittore Branca). Dentre as histórias, destacam-se "as memórias" de Giovanni di Pagolo Morelli (Florença, 1371-1444), onde a razão do comércio estava perfeitamente integrada com a razão da família e com as razões do estado da cidade de Florença. Morelli deu conselhos e recomendações a seus "alunos", filhos e netos, em uma espécie de destilação de gerações de sabedoria mercantil: «Não se envolva em comércio ou tráfico que você não entende: faça as coisas que você sabe fazer e tenha cuidado com os outros. Vá junto com outros aos armazéns e aos bancos, e saia, frequente na companhia dos comerciantes e sinta as mercadorias; veja com seus próprios olhos os lugares e as terras onde você pensou em negociar» ("Ricordi", III, p. 177). O primeiro sentido do comerciante, o realmente essencial, era o toque.

O comerciante tinha que tocar nos produtos, porque os segredos decisivos do conhecimento comercial eram aprendidos ao tocar as mercadorias a serem compradas e vendidas. Panos, peças e tecidos eram conhecidos ao serem tocados com as mãos, ao serem manuseados. O primeiro significado de gerente refere-se à mão, ao manuseio, à domesticação do cavalo através do uso das mãos. Um empresário que perdeu o contato com as coisas com as quais estava lidando, que não exerceu o toque (con-tacto), que não os sentiu com os dedos, perdeu a sua competência e se colocou nas mãos dos outros, dos quais acabou ficando completamente dependente. Nem a divisão do trabalho nem a delegação são válidas aqui: o empresário deve distribuir as funções; ele pode e deve delegar muito, mas não o toque dos seus bens, ele mesmo deve fazê-lo. O empresário italiano cresceu tocando a mercadoria. Ele era tão ou mais competente em suas mercadorias do que seus técnicos e trabalhadores. Essa competência do tato foi a sua principal força. Assim, pode-se entender porque este "capitalismo" começou a declinar quando deixou as empresas nas mãos dos gerentes. Estes últimos já não tocavam mais nas coisas que compravam e vendiam, pois eram especialistas em instrumentos, mas quase nunca nas mãos e no toque dos produtos da empresa.

Além disso, o Senhor Giovanni nos diz que o bom comerciante devia viajar pelo mundo, visitando pessoalmente os mercados das muitas cidades. Certamente ele precisava de agentes e procuradores, mas ele não poderia ser um bom comerciante se não adquirisse um conhecimento direto dos lugares e pessoas, se não frequentasse "armazéns e bancos". Enquanto o empresário tiver paixão, energia, entusiasmo e eros suficientes para ir pessoalmente às feiras, para ver "com os seus olhos" os clientes, fornecedores e banqueiros, ele continuará a manter o controle de seus negócios, segurando as rédeas, administrando: «Se você negocia no exterior, viaje pessoalmente e com frequência, pelo menos uma vez por ano, para ver e acertar as contas. Veja que tipo de vida leva aquele que está lá fora representando você, veja se ele gasta excessivamente e certifique-se de que ele tenha um bom crédito no mercado» (p. 178). Quando, em vez disso, o comerciante começa a passar seus dias entre reuniões no escritório e refeições em restaurantes estrelados, mesmo que ele não saiba, o fim já começou, pois já perdeu as mãos e os olhos da arte do comércio.

A ética do comércio tem um segundo mandamento: «Seja firme na confiança e não seja franco: aquele em quem menos se deve confiar é aquele que se mostra com palavras de lealdade e pedantismo; e quem se oferece a você, não confie em nenhum ato. Aos grandes charlatães, presunçosos e lisonjeiros, escute-os e responda suas palavras com palavras, mas não confie neles. Não tenha relações com aqueles que mudaram de tráfego e parceiros ou professores várias vezes» (p. 178). Quando um homem de negócios começa a rodear-se de pedantes, charlatães e pessoas convencidas, ele já se pôs no caminho para declinar. Mas para reconhecê-los você tem que frequentar sua empresa fora dos campos de golfe e hotéis de luxo, porque a velha lei do comércio diz que você não conhece uma pessoa até vê-la no trabalho. É uma ingenuidade grosseira pensar que você pode encontrar clientes e agentes em conferências. O trabalho é a grande peneira que torna possível discernir o joio do charlatanismo a partir do grão do bom trabalho.

Terceiro mandamento: «Nunca faça uma demonstração de riqueza: mantenha-a escondida e dê sempre a impressão por palavras e atos de que você tem metade do que você tem. Se você mantiver este estilo, eles não poderão enganá-lo demais» (p. 178). Isto não é tanto uma técnica de evasão fiscal (talvez para alguns seja), mas um estilo de vida. Aqueles primeiros comerciantes sabiam bem que a inveja social era degenerativa para todos. A riqueza civil não deveria produzir inveja, mas emulação, ou seja, o desejo de imitar. Mas em um mundo de baixa mobilidade social, como era, em suma, o mundo medieval, a riqueza ostentosa só criava inveja e conflito. Mostrá-la além do limite (o grande tema da intensidade lícita da riqueza reaparece aqui) não foi de nenhum benefício para ninguém: «Não se vanglorie de grandes ganhos. Ao contrário: se você ganha mil florins, diga quinhentos; se você negocia em mil, faça o mesmo; e se eles estão à vista, diga que pertencem a outros. Não fique a descoberto em suas despesas. Se você é rico com dez mil florins, leve uma vida como se você tivesse cinco» (p. 189). A sobriedade tem sido durante séculos uma grande virtude do empresário e dos industriais. Muitas vezes seus filhos frequentavam a mesma escola que os filhos dos seus trabalhadores. Eles participavam das mesmas igrejas, casamentos e funerais. Eles eram "cavalheiros", mas também companheiros, pelo menos as crianças. Entretanto, quando há algumas décadas, a concorrência mudou da produção para o consumo, o foco do capitalismo mudou do empresário para o gerente, e o capitalismo tornou-se um enorme mecanismo de ostentação produzindo muita inveja social e frustração, especialmente em tempos de crise.

Paolo da Castaldo (1320-1370), em seu "Libro dei buoni costumi" (Livro dos bons costumes), instrui sobre um quarto pilar dessa ética empresarial: «Procure sempre ter trabalhadores suficientes e os melhores do mercado. Não olhe para o custo porque "uma boa pensão e salário de bons trabalhadores nunca foram caros; os maus são caros» (p. 34). Sabedoria infinita, que esquecemos em um capitalismo onde o alto salário do gerente é o primeiro e às vezes o único indício de sua qualidade. Paolo nos lembra aqui que o "mau gerente" é caro porque geralmente ele está mais interessado no dinheiro do que na mercadoria, e que um salário muito alto se torna um mecanismo de seleção adversa de pessoas.

Quinto mandamento: «Deixe o que você fez ser escrito longamente em seus livros; não poupe a caneta, e faça-se entender bem no livro. E você viverá livre, sentindo-se firme e forte em seu capital» (p. 178-9). "Escrever bem" era uma qualidade do bom comerciante, nas palavras do comerciante e poeta Dino Compagni ("Canzone del pregio"). O humanismo civil italiano e europeu não teria existido sem a boa escrita dos comerciantes, e seu extraordinário sucesso comercial não teria existido sem o cuidado e o apreço pela escrita e pelas letras: «Que o aluno consiga ser virtuoso, aprender ciência e gramática e um pequeno ábaco» (p. 192). Isto não implica que os comerciantes fossem (ou devessem ser) professores. A boa escrita dos comerciantes era diferente da dos professores, mas era boa e necessária para o bem comum. Florença conseguiu desenvolver séculos de economia extraordinária porque os comerciantes alimentaram os poetas e artistas com a sua riqueza, mas Dante e Boccaccio alimentaram os comerciantes com a sua beleza, que assim entraram nos livros razão e no discurso fascinante que encantou o mundo inteiro: os comerciantes encantaram o mundo com os belos tecidos, mas também com as palavras poéticas, com o seu modo de se expressar e escritos.

Para finalizar: «Agora, para concluir, as coisas acima mencionadas são úteis para ser um especialista e conhecer o mundo, para ser amado, honrado e estimado» (p. 196). Benevolência, boa fama, honra e estima eram bens invisíveis, mas essenciais, mais do que lucro. A riqueza obtida pela má fama não valia nada. O segundo paraíso que os antigos comerciantes buscavam era uma herança de boa fama e honra para deixar a seus filhos. Morrer rico, mas com desonra, era o verdadeiro inferno deles. Sem levar em consideração a boa fama, também não entenderíamos o fenômeno da venda de indulgências. Quando na aproximação da morte aqueles comerciantes e banqueiros deram boa parte do seu patrimônio à Igreja ou ao Município, eles não o fizeram apenas para descontar anos de purgatório, mas também para evitar o inferno da fama na terra - para si mesmos e para sua família. Estamos legando a dívida pública a nossos filhos. Os antigos comerciantes também queriam deixar fama e honra.

Por trás do nosso "capitalismo", ainda sustentado pelas famílias e desprezado porque às vezes se torna "familiar", existe toda a ambivalência daqueles primeiros comerciantes; mas existe também a virtude e a honra deles. A conjunção "e" desempenhou um papel decisivo em nosso primeiro humanismo econômico e social: dinheiro e Deus, espírito e mercadoria, beleza e riqueza, luxo e pobreza. Essas palavras colidiram e se chocaram, e a vida nasceu. Hoje ainda precisamos de uma conjunção, certamente muito diferente da medieval. Mas a nossa economia só será civil e civilizada se for uma relação, se unir os diversos, se souber viver generativamente suas contradições e ambivalências.

210131 editoriale avvenire


Imprimir   Email

Articoli Correlati